O homem que mantém viva a Madeira em Jersey

Joe (ou João Carlos) Nunes. É assim que é conhecido desde que se estabeleceu em Jersey, vai para cerca de quarenta anos. Nasceu no Funchal, na zona da Levada do Cavalo, mas acabou por mudar para o Livramento. Cumpriu serviço militar em Portugal, e trabalhou para a General Motors. Depois fartou-se da Madeira.

Não, vamos reescrever esta última frase. Não se fartou da Madeira, fartou-se das limitações que lhe impunham na Madeira de há quarenta anos. E foi depois de ver recusado um pedido para ir trabalhar em Cahora Bassa que acabou por ir trabalhar em Jersey. Propuseram-lhe uma posição na General Motors alemã, em Stuttgart, mas ele estava mais “próximo” dos ingleses que dos alemães, pelo que foi trabalhar em hotelaria em Jersey.

Durou menos que um ano. Depois de um ano, começou a assegurar a manutenção de uma padaria, coisa que fez durante muitos anos – mesmo depois de se alargar para outros horizontes. Hoje é dono de uma residencial, depois de ter passado pela importação e manutenção de automóveis. E é feliz em Jersey, onde cada vez mais tenta divulgar as tradições portuguesas e madeirenses.

Está muito envolvido com a comunidade, e sempre que passa pelo Funchal tenta de alguma forma dinamizar a geminação entre St. Hellier e o Funchal. Porque, diz, as pessoas precisam das suas raízes, e das suas comunidades, e o acordo de geminação dá uma visibilidade à comunidade portuguesa – e especialmente a madeirense – que não teria de outra forma.

Aliás, o que mais transparece da nossa conversa é o gosto que tem por ser esta ponte, e pela estima que tem pela Madeira, que o viu nascer, e por Jersey, onde se estabeleceu e viveu grande parte da sua vida. De resto, é uma pessoa calma, que pensa antes de responder a uma pergunta, e que tem sempre o cuidado de enquadrar a sua resposta. E que pondera a sua resposta não só na sua experiência, mas também na da sua comunidade, sendo de destacar o cuidado que tem sempre na promoção dos interesses destes portugueses em terras de Sua Majestade.

Dos portugueses em Jersey, diz que são bem vistos. Que são trabalhadores. Que fazem pela vida. E que não criam problemas. Sobre os madeirenses, especificamente, diz que se adaptam melhor a viver por lá. Talvez porque já estejam habituados a viver numa ilha… Mas em Jersey “somos todos portugueses…”, acrescenta.

Sobre Jersey, diz-nos que continua a ser um local calmo, onde as pessoas não têm pressa, e onde ainda há tempo para tudo. A população tem vindo a crescer, bem como a comunidade portuguesa, de cerca de 10 mil pessoas, “mais os temporários”.

É uma comunidade muito activa, para o que pode contribuir o facto de ser muito concentrada, e de haver manifestações recreativas e culturais que a mantém consciente das suas raízes. E se o Clube Português é hoje em dia uma sombra do que já foi, a verdade é que há uma comissão que organiza os dias de Portugal e da Madeira, bem como um “Portuguese Food Festival” que tem lugar todos os verões no centro de St Hellier, com comidas e bebidas portuguesas, mas também com animação. “Fazemos sempre o que podemos para que haja um artista português a actuar nestas festas”.

E é também assim que se mantém vivas as raízes.

PARTILHAR:Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPrint this pageEmail this to someone